Marfrig inicia projeto pioneiro para medir Pegada Hídrica
Sex, 14 de Setembro de 2012 00:00

fornecedores_minervaEmpresa é a primeira do setor a monitorar o uso da água com método Water Footprint Network.


O Grupo Marfrig acaba de iniciar o mapeamento da sua "Pegada Hídrica" utilizando a metodologia Water Footprint Network para medir o uso da água em seus processos produtivos, tornando-se assim a primeira empresa no setor a realizar um projeto de gestão de recursos hídricos com elevado grau de detalhamento.

A Water Footprint Network foi criada em 2008 por entidades, empresas e cientistas empenhados em promover o uso eficiente e sustentável da água. Com crescente reconhecimento internacional, a metodologia já foi aplicada em mais de 200 produtos ao redor do mundo e atualmente conta com 164 organizações parceiras em 28 países. O método permite entender o quanto de água é usada e devolvida ao ambiente ao longo das diferentes fases da cadeia produtiva.

"A boa gestão dos recursos hídricos é um dos pontos de grande importância para a sustentabilidade das operações do Grupo Marfrig. A metodologia do Water Footprint Network será aplicada não só para quantificar o uso da água, mas também ajudar a aprimorar a quantificação e avaliação dos impactos ambientais das operações", diz Clever Pirola Ávila, Diretor de Sustentabilidade do Grupo Marfrig.

O mapeamento da "Pegada Hídrica" terá início através da aplicação da metodologia nas unidades industriais da Marfrig localizadas em Amparo (SP), que é voltada para o processamento de aves, e Bataguassu (MS), destinada à carne bovina. Os resultados serão concluídos ainda no primeiro semestre deste ano e em um segundo momento, a metodologia poderá passar a ser implementada nas demais unidades do Grupo.

As duas unidades foram escolhidas devido à representatividade que ambas têm na produção da Empresa, tanto para o segmento de carne bovina quanto para aves, o que facilitará replicar seus resultados para serem utilizados como referência por outras unidades, inclusive em outros países. Serão levantadas informações a respeito do uso da água em toda a cadeia de produção: desde a criação dos animais ao consumidor final.

"O objetivo é fazer um retrato do quadro atual não apenas do consumo, mas principalmente do uso da água nestas duas plantas industriais. Com base nos resultados deste levantamento técnico, teremos um direcionamento a respeito da melhor estratégia de gestão hídrica a ser tomada", explica Ávila.

Com o início do piloto, a Marfrig também criou um comitê de recursos hídricos no Brasil. "Estas ações são um importante passo para aprimorar cada vez mais as operações do Grupo e fortalecer o compromisso com os mercados nacional e internacional para o fornecimento de produtos sustentáveis", afirma o executivo.

Outras iniciativas

O pioneirismo da Marfrig na criação de indicadores de uma cadeia produtiva sustentável vai além da mensuração dos recursos hídricos. No ano passado, a Empresa realizou seu primeiro inventário global de gases de efeito estufa, em todas as suas 152 unidades em 22 países, na cadeia produtiva de bovinos, ovinos, suínos e aves, além de incubatórios e fazendas responsáveis pela engorda de bovinos até a entrega de produtos ao primeiro centro de distribuição.

O estudo, que ajudará a Empresa a realizar melhorias para minimizar as emissões de gases poluentes, terá sua edição 2012 lançada no segundo semestre deste ano.

Além dos projetos de água e dos gases de efeito estufa, outra recente conquista do Grupo Marfrig deixou evidente a importância dada pela empresa à gestão sustentável de sua cadeia produtiva.

Lançado em fevereiro, o Relatório Anual 2011 Forest Footprint Disclosure (FFD) fez menção especial à Empresa, considerada pela publicação como a companhia do setor de alimentos que mais obteve progressos em relação à gestão dos impactos florestais de suas operações em 2011.

O estudo FFD convidou 357 empresas internacionais de vários setores para responder a um questionário sobre suas práticas florestais. No entanto, apenas 87 aceitaram participar da iniciativa. No Brasil, entre as 18 empresas convidadas, apenas a Marfrig e outras quatro companhias foram analisadas.

Fonte: http://www.marfrig.com.br/sustentabilidade/noticias/template-release.asp?id={D2458D45-9DAD-431E-AF7B-C9951A09D2B0}.

 

 

 
Artigos Relacionados